Molusco contagioso

Como não têm o sistema imunológico totalmente desenvolvido, as crianças estão muito mais propensas a doenças infecciosas do que os adultos. A convivência com outras crianças na escola e nos clubes facilitam ainda mais esses problemas. Hoje você vai ler sobre uma doença que pode confundir os pais: o molusco contagioso. Isso porque ela causa o surgimento de bolhas na pele que podem ser facilmente confundidas com verrugas ou outros males que também causam protuberâncias.

Para identificar melhor e saber os tratamentos corretos para o seu filho, preste atenção nos detalhes abaixo! E vale registrar: o molusco contagioso também pode atingir os adultos. Por isso, é muito importante iniciar a prevenção dentro de casa.

O que é molusco contagioso?

Molusco contagioso é uma infecção viral que atinge a pele humana, geralmente nas partes do corpo em que ela é mais fina. Ela é caracterizada pelo aparecimento de várias pequenas bolhas de tom rosa ou branco. As protuberâncias costumam desaparecer naturalmente.

A doença é causada por um vírus da família dos poxvírus, uma das mais poderosas e ainda pouco conhecidas. Apesar de ter quatro subtipos, o subtipo 1 do vírus é o que costuma atingir as crianças, enquanto o subtipo 2 é o mais comum entre os adultos, e pode até ser transmitido durante relações sexuais.


Sintomas do molusco contagioso

Além das bolhas e protuberâncias na pele, que por si só causam um incômodo enorme, o molusco contagioso não costuma manifestar outros sintomas, e as lesões geralmente são indolor. A única complicação possível é o desenvolvimento de eczemas (inflamações ou erupções) em torno das bolhas.

Molusco Contagioso

O contato de uma parte da pele infectada com a pele saudável já pode espalhar a doença, por isso é comum que várias partes do corpo fiquem com bolhas, principalmente os membros que mais se usa:

  • rosto
  • pescoço
  • mãos
  • braços
  • peito
  • barriga
  • virilha, parte interna da coxa e órgãos genitais (em caso de transmissão por relações sexuais)
  • em casos raros, as lesões podem se desenvolver em lugares incomuns como palma da mão, sola do pé, interior da boca e ao redor das pálpebras.

Após a infecção pelo vírus, há um período de incubação, e as bolhas costumam aparecer só depois de duas a oito semanas. Da mesma forma, elas desaparecem sozinhas entre 8 e 18 meses.

Com o que o molusco se parece

As protuberâncias são rosas ou esbranquiçadas, papulosas e podem ter diferentes tamanhos, mas geralmente não maiores que um grão de ervilha, ou entre 2 a 5 milímetros de diâmetro. No início, elas são mais firmes e têm uma depressão no centro. Geralmente elas aparecem uma ao lado da outra, aos montes.

As bolhas não costumam deixar cicatrizes quando desaparecem, mas é muito importante não coçar o arranha-las, porque elas podem ser removidas, o que causaria uma ferida e facilitaria uma infecção ou a contaminação em outras partes do corpo, já que elas liberam pus quando abertas.

Como se contrai

O vírus do molusco contagioso se desenvolve mais facilmente em ambientes quentes ou úmidos, e tem alta capacidade de transmissão. Tocar diretamente uma bolha ou qualquer parte da pele de uma pessoa infectada, claro, pode causar a transmissão. O vírus também se prolifera na água, por isso é importante tomar cuidado com banheiras, piscinas e boxes de chuveiro.

O simples contato com um objeto usado por essa pessoa também pode transmitir. Os mais comuns são brinquedos e roupas, para as crianças, e toalhas e travesseiros, para os adultos. Como dito mais acima, as relações sexuais também são de alto risco, já que há o contato pele com pele, além da possibilidade de as bolhas surgirem nos órgãos sexuais.

Diagnóstico

Os médicos mais habilitados para detectar o molusco contagioso são os dermatologistas, infectologistas e clínicos gerais. Normalmente eles são capazes de diagnosticar a doença apenas ao examinar a pele do paciente e as bolhas pelo corpo. No entanto também é possível coletar material da pele infectada e fazer uma biópsia.

Quem tem mais riscos de contrai-lo

  • crianças entre um e 10 anos de idade
  • pessoas com dermatite atópica
  • pessoas com o sistema imunológico frágil, principalmente por conta de câncer ou HIV
  • pessoas cuja profissão requer muito contato físico, por exemplo atletas

No entanto, todos estão suscetíveis a contrair essa doença, em todas as idades, principalmente quem mora em cidades quentes e úmidas.

Tratamento do molusco contagioso

Como o vírus do molusco contagioso e as bolhas na pele que ele causa desaparecem sozinhos entre 8 e 18 meses, muitos médicos não recomendam tratamentos agressivos para acelerar esse processo, principalmente para crianças. No entanto, existem métodos tópicos, com cremes, pomadas e ácidos, que podem ser recomendados por dermatologistas.

O tratamento é similar ao dado ás verrugas: pode ser aplicado nitrogênio líquido, hidróxido de potássio, laser ou eletrocirurgia, por exemplo. O ácido retinóico, em creme ou em gel, também é um medicamento recomendado, assim como modificadores da resposta imune. Esses métodos, no entanto, podem causar reações adversas como dores, coceira e cicatrizes onde antes estavam as protuberâncias.

Complicações

O molusco contagioso só costuma gerar complicações em quem está com o sistema imunológico muito enfraquecido, caso de pessoas que já tinha alguma doença antes de contrair o vírus. Entre elas:

  • bolhas com mais de 5 milímetros de diâmetro
  • mais bolhas que o normal e em regiões não comuns, como palma da mão
  • infecção das bolhas, caso elas sejam removidas de forma inadequada ou sem querer (pode ser um simples eczema ou uma invasão de bactérias, o que torna necessário o tratamento com antibióticos)
  • problemas oculares caso as bolhas apareçam perto demais dos olhos

molusco contagioso imagem

Prevenção

A maior parte das pessoas que tem o sistema imunológico funcionando corretamente é resistente ao vírus do molusco contagioso e não corre risco de contrair a doença. No entanto, é importante cuidar da higiene dentro de casa e não dividir itens de uso pessoal, como toalhas e roupas. Mantenha sempre as mãos limpas. Evite contato físico com alguém que tenha suspeita da doença.

Para as crianças, o cuidado maior deve estar na escola, onde deve-se evitar compartilhar brinquedos e praticar esportes de contato. Piscinas de clubes também são lugares perigosos. Para quem já contraiu o molusco contagioso, é importante cobrir as bolhas com esparadrapos para evitar o contato direto com outra pessoa.

Pergunta dos leitores

Qual medicamento devo tomar ao contrair o molusco contagioso?

Como dito acima, o molusco contagioso desaparece sozinho e, na maioria dos casos, o tratamento com remédios é desaconselhado, já que pode gerar efeitos colaterais como o endurecimento, inchaço ou descamação da pele. No entanto, alguns medicamentos tópicos que os dermatologistas costumam recomendar são: Andolba, Podofilotoxina, Imiquimode e Peróxido de Benzoíla.

Molusco contagioso tem cura?

Sim. Em grande parte dos casos o molusco desaparece sozinho, sem deixar cicatrizes ou dores. O tempo de cura varia muito, de acordo com o sistema imunológico do paciente. Por isso, é importante fortalecer o corpo e cuidar da alimentação e de outras doenças. Com isso, as lesões vão embora entre 8 e 18 meses.

Existe algum tratamento com esparadrapo?

Não. O esparadrapo serve apenas para preservar as bolhas, evitando coceiras ou contatos que possam arranca-las, e também para prevenir o contato com outras áreas do corpo saudáveis ou outras pessoas.