Luxação

A luxação é uma das mais temidas lesões de atletas e pessoas que precisam estar sempre em movimento, seja por trabalho ou lazer. Ela se caracteriza pelo deslocamento dos ossos de suas articulações.

O que é Luxação

A luxação se caracteriza pelo deslocamento repentino das extremidades dos ossos de uma articulação, seja esse deslocamento parcial ou completo. Em outras palavras, isso significa que um osso se separa do outro, sendo que eles deveriam estar unidos.

Além de ser um problema por si só, a luxação pode causar problemas secundários, já que o deslocamento dos ossos pode provocar lesões externas, como nos músculos, vasos sanguíneos e especialmente nos ligamentos. Os locais onde os ossos mais têm tendência em sofrer uma luxação são: ombros, joelhos, quadril, cotovelos, dedos das mãos e punho, pois são mais propensos a receber uma pancada forte.

É bom também ressaltar que luxação é bem diferente da fissura e da fratura. A fissura é quando osso sofre uma pequena lesão, abrindo uma fissura. Já a fratura é quando o osso se rompe totalmente. Mas há casos onde o osso pode sofrer uma luxação e ao mesmo tempo uma fratura ou fissura.


Sintomas da Luxação

Os sinais e sintomas da luxação são sempre os mesmos, variando apenas a intensidade e de acordo com o local do trauma. A dor local é o principal sintoma, assim como uma possível deformidade na articulação. Nesses casos, é possível perceber que o dedo está torto ou que o ombro está mais para baixo, por exemplo. Semelhante às deformidades na articulação, é possível observar que há proeminência óssea, que é quando o osso está desalinhado.

Logo após o trauma, o local geralmente irá sofrer um inchaço e haverá incapacidade de realizar os movimentos desta articulação. Posteriormente poderá sentir uma leve ou pesada sensação de formigamento, até que haja dormência ao redor da área traumatizada.

Em casos mais graves e que geralmente são acompanhados de fratura óssea, é possível que o osso fique exposto, rasgando a carne que o envolve.

Luxação

Tipos de Luxação

Em resumo, há dois tipos de luxação. O primeiro é a luxação incompleta, que também é conhecida por sub-luxação. Isso acontece quando o deslocamento entre os ossos ocorre de forma bastante reduzida, sendo que eles não se separam completamente. Já na luxação completa os ossos se desvinculam totalmente, deformando totalmente a articulação local.

Os médicos ortopedistas também separam a luxação em seis categorias diferentes. O tipo 1 e 2 são as leves e geralmente são tratadas sem a necessidade de cirurgia. O tipo 3 é quando o deslocamento acontece entre 25% e 100% entre os ossos da articulação, mas ainda não é grave. Já os tipos 4, 5 e 6 são casos graves, com necessidade cirúrgica e com potencial problema secundário.

Grupos de risco

Qualquer pessoa pode sofrer uma luxação. Basta um tropeço e se tornozelo pode sofrer uma pequena luxação ou então bater a mão forte em algum lugar e seus dedos ou pulso se deslocarem. Apesar disso, há grupos de risco que podem sofrer mais com esse tipo de lesão.

O principal grupo são o de atletas, especialmente os que praticam esporte de contato, como futebol, futebol americano ou basquete, ou de impacto, como vôlei e corrida.

Além deles, idosos, bebês e crianças também correm mais risco. No caso dos jovens, é porque sua estrutura óssea ainda está em desenvolvimento, enquanto nos mais velhos os ossos já estão mais fracos.

Há também os grupos de pessoas que possuem alguma doença que enfraquece os ossos, facilitando a aparição de uma luxação, como as que possuem artrite reumatoide ou as com síndrome de Ehlers-Danlos.

Causas da Luxação

Há várias situações que podem levar uma pessoa a sofrer uma luxação, sendo que as principais causas têm a ver com impacto. Um traumatismo direto ou indireto, uma pancada mais forte e quedas são os principais motivos.

Além disso, lesões congênitas ou frouxidão ligamentar, muscular ou capsular (que são causadas por outras doenças) podem fazer com que movimentos simples, como se espreguiçar, cause uma luxação.

Diagnóstico

As maneiras de diagnosticar uma luxação são sempre as mesmas. Há sempre uma avaliação clínica e raios X para avaliar qual o grau da luxação. Além disso, pode ser necessária uma tomografia computadorizada e ressonância magnética para avaliar de a luxação ocasionou lesões internas.

Após o osso voltar ao lugar correto, o procedimento com a tomografia e ressonância pode se repetir para observar se ainda há problemas secundários.

Tratamento para Luxação

O que é Luxação e como tratar?

Após um trauma onde há suspeitas de luxação (ou de fratura), a pessoa deve ser colocada em uma posição confortável e encaminhada para o médico. É importante que esteja confortável e imóvel para que evite lesões secundárias.

Após estar em mãos responsáveis, haverá uma redução da articulação luxada, que é feita sem cirurgia. Nesse caso, o médico irá colocar manualmente o osso no lugar, o que pode ser bastante dolorido. Em casos mais complicados, pode ser usado sedação ou anestesia local. Em casos mais graves, deverá haver intervenção cirúrgica.

Como houve ruptura parcial ou completa da articulação, o paciente deverá fazer fisioterapia para que os componentes da articulação e recupere de maneira plena. Analgésicos e anti-inflamatórias podem ser úteis para aliviar dor e inchaço.

Complicações

Como o deslocamento dos ossos pode mexer com órgãos internos, possíveis complicações podem acontecer, como ruptura de tendões ou ligamentos, lesões de nervos rigidez e complicações vasculares. Em casos mais graves, danos em órgãos podem ser observados e há o risco de sofrer osteoporose.

Por isso é tão importante receber ajuda médica o quanto antes.

Prevenção

Não há maneiras 100% eficazes de prevenir uma luxação, já que ela é uma lesão que acontece por um trauma geralmente acidentar. O melhor que cada um pode fazer é tomar cuidado para evitar tombos ou impactos mais fortes.

Caso seja atleta profissional, amador ou apenas nos finais de semana, se aqueça e alongue bem para que as articulações estejam em pleno funcionamento, evitando possíveis lesões.