Anencefalia

A gravidez é um dos momentos mais esperados daqueles que sonham em gerar uma família. A mãe, que por motivos óbvios geralmente sente um laço maior pelo feto durante a gestação, passa nove meses esperando aquilo que um dia será sua/seu filha(o).

Mas infelizmente nem toda gravidez termina bem. Existem casos onde doenças e condições afetam o feto, impossibilitando que ele venha a vida e uma dela é a anencefalia.

O que é Anencefalia?

Anencefalia é, em resumo, uma condição onde o feto não desenvolve seu encéfalo. Em termos mais técnicos, é quando há uma má formação do cérebro, ainda na fase embrionária (que acontece durante o 16º e a 26º dia da gestação), que tem como principal característica a ausência total da caixa craniana e encéfalo do feto.

É uma condição rara, que, de acordo com uma primeira pesquisa, acontece uma vez a cada mil casos e, de acordo com outra pesquisa, uma vez a cada dez mil casos. A incidência varia deste jeito (e pode ser ainda maior) porque em muitos casos não há tempo de ter o diagnóstico e a mãe sofre um abordo espontâneo, por vezes sem nem mesmo perceber.


Quando isso ocorre, o cerebelo e cérebro do feto são reduzidos ou então inexistentes, deixando o tecido cerebral exposto, ou seja, sem a cobertura do crânio e da pele. É mais comum acontecer em fetos quando a mãe está nos extremos da faixa reprodutiva, sendo muito jovem ou mais velha.

Como consequência disso, a gestante pode sofrer com um acúmulo de líquido amniótico (fluído que envolve o embrião) dentro do útero, podendo ocasionar hemorragias durante o pós-parto.

Anencefalia

Anencefalia causas

Ainda não há uma explicação científica totalmente correta sobre as causas da anencefalia. Mas é sabido que é algo multifatorial, que é influenciada por diversos fatores, como a genética, o ambiente, situações sazonais e geográficas.

Apesar disso, existem duas explicações que são as mais aceitas pelos estudiosos e com base nela que indicam as prevenções. A primeira delas é a má nutrição da mulher durante a gravidez. Já a segundo tem a ver com a ausência do ácido fólico durante a gestação, sendo que essa é a mais aceita.

A fase embrionária do feto, que é quando ocorre a má formação do encéfalo, acontece durante o 16º e a 26º. Apesar disso, a malformação costuma ocorrer entre os dias 23 e 28 da gestação, isso por causa do mal fechamento do tubo neural. Quando isso ocorre, o feto também pode desenvolver outra condição chamada espinha bífida.

Diagnóstico de Anencefalia

A anencefalia pode e deve ser sempre diagnosticada durante o pré-natal com o exame de ultrassom. Pode ser percebido na imagem a partir do 3º mês de gestação. Infelizmente não existe nenhuma cura para a anencefalia ou nada que possa vir salvar o bebê.

Importante ressaltar que em 100% dos casos o diagnóstico é feito pela ultrassonografia e não há margem de erro.

Sinais e sintomas de um bebê anencéfalo

Geralmente, a gravidez de um bebê anencéfalo apresenta algumas complicações, sendo a principal delas o possível acúmulo de líquido amniótico no útero, pois não há a deglutição do líquido da bolsa pelo feto.

Como sintoma, é possível perceber as vezes que os fetos com anencefalia assumem posições anômalas, que geralmente dificultam o parto. Isso porque sem a formação do crânio, parte fisiologicamente necessária para a realização do parto, não existe.

É possível perceber que o ombro do feto com essas condições é maior, mas a razão ainda é desconhecida. Além disso, há o risco de acontecer a não contração uterina após o parto, o que que leva a hemorragias no pós-parto, que por sua vez pode colocar em risco a vida da mulher.

Tratamento

Não há nenhum tipo de cura ou tratamento para a anencefalia. O diagnóstico é de extrema gravidade, influenciando na ausência de vida após o parto e numa carga traumática para os pais, especialmente para a mãe.

Se o feto chega a nascer, geralmente ele vem cego, inconsciente, surdo e incapaz de sentir dor. Nesses casos, ele morrer em pouquíssimas horas e, em casos raros, em poucos dias, sofrendo uma parada cardiorrespiratória.

Aborto Anencéfalo

Por causa da inexistência da chance do bebê sobreviver, é legalmente aceitável a realização do aborto. Claro que envolvem situações onde deverá ser seguro para a mãe, não prejudicar o sistema reprodutor e precisa do aval da grávida.

Decisão do supremo tribunal federal

No dia 13 de abril de 2012 chegou a decisão final do Superior Tribunal Federal sobre o caso de aborto nos casos de anencefalia. O Brasil ainda é um país que, em um contexto geral, não permite legalmente que haja abortos. Mas nesse dia a decisão foi que a mulher teria direito de abortar caso fosse diagnosticado a anencefalia no feto em que carregava. O caso estava sendo discutido desde 2004.

No entendimento dos oito dos 11 ministros (dois votaram contra e um não votou), o feto sem cérebro, que que biologicamente esteja vivo, está juridicamente morto, já que não haveria proteção jurídica à sua vida, portanto abortá-lo não seria um crime contra a vida.

Prevenção de Anencefalia

Apesar de não ser nenhuma grande garantia que o feto vá desenvolver anencefalia, a prevenção da condição é se suplementar com ácido fólico. Essa suplementação deve ser feita três meses antes da mulher engravidar e durantes os três primeiros meses da gestação.

O ácido fólico é ingerido em complexos vitamínicos específicos para gestantes e pílulas. O indicado pelos médicos é a ingestão de 0,4 mg por dia durante esses seis meses.

Anencéfalo

Diferença entre Anencéfalo e Acéfalo

Um feto anencéfalo é aquele que não desenvolveu cérebro e cerebelo, deixando seu tecido cerebral exposto, sem proteção de pele e ossos.

Já o feto acéfalo é um que não possui, literalmente, cabeça. Sendo uma condição muito mais rara que a anencefalia, acontece porque esse acéfalo é um gemeoparasita que está unido a outro feto completamente intacto. Deste modo, o feto acéfalo possui corpo, mas não cabeça e coração, fazendo com que o pescoço do feto acéfalo esteja unido do irmão. Quem cuida da circulação do sangue do acéfalo é o coração do outro feto.

Diferença entre Anencefalia e Microcefalia

Ambas são condições bem diferentes, com a única semelhança é que a microcefalia pode levar a morte da criança após alguns dias de realizado o parto.

A microcefalia é uma condição neurológica bastante rara onde o cérebro e cabeça a criança são menores do que deveriam ser, comparado com a idade. Geralmente ela é diagnosticada no início da vida, mas há casos em que o ultrassom diagnostica essa doença.

Pergunta dos leitores

Um bebê anencéfalo pode sobreviver?

Não, pois a ausência de cérebro e cerebelo junto com a condição onde não há crânio protegendo o tecido cerebral faz com que a chance de sobrevivência do bebê seja nula. Mesmo que ele sobreviva ao parto, ele falece, no máximo, em alguns dias.

O maior tempo de sobrevivência foi de uma garota que morreu apenas aos dois anos, mas no caso dela havia o crânio, pele, couro cabeludo e cabelo. Mas ainda vivia em estado vegetativo.

Quando um bebê com anencefalia sobrevive ao nascimento, ele possivelmente será surdo, cego, estará inconsciente e será incapaz de sentir dor.

Bebê anencéfalo mexe na barriga?

Não são em todos os casos, mas os fetos com anencefalia podem ser bem ativos durante a gestação. Isso é considerado bem ruim, porque ajuda criar um laço entre a mãe e o feto, sendo que ele não poderá sobreviver.

Por isso é importante ter o diagnóstico da situação do feto o quanto antes, logo no pré-natal.

Anencefalia Imagens

Anencefalia ultrassonografia – Fotos

Anencefalia Ultrassonografia