Amigdalite

Algumas doenças acontecem cm bastante frequência, visto que há poucas maneiras de prevenção delas. Apesar disso, muitas vezes são apenas um incômodo que, geralmente, não causam maiores males, especialmente se tratadas rapidamente e corretamente.

Uma delas é a amigdalite, onde milhões de pessoas contraem por ano e em poucos dias de tratamento não incomodam mais e em pouco mais de uma semana o paciente está curado.

O que é Amigdalite?

Conhecida popularmente apenas como infecção das amígdalas, a amigdalite é uma doença extremamente comum, sendo que acontecem mais de 2 milhões de casos anualmente só no Brasil.

A amigdalite é, em suma, a inflamação com bastante inchaço nas amígdalas, que são um tipo de gânglios linfáticos que ficam localizados na parte de trás da boca e nas laterais da garganta. As amígdalas servem para ajudar a manter germes e bactérias e longe de qualquer outro local possam causar infecções.


Acontece que as vezes a carga sobre as amígdalas é maior do que ela suporta, o que varia de pessoa para pessoa, e elas acabam se infectando por um dos corpos que elas estão combatendo, se caracterizando a amigdalite.

Amigdalite

Tipos de Amigdalite

Existem diversas maneiras de contrair amigdalite, visto que há muitos diferentes tipos dessa doença.

Amigdalite bacteriana

O tipo mais comum de amigdalite é a amigdalite bacteriana. Como o nome propõe, ela é causada pela presença de bactérias das amígdalas. A espécie mais comum de bactérias que causa essa doença é a Streptococcus pyogenes, que pertencem ao grupo A das estreptococas. Apesar disso, existem outras espécies de bactérias que também podem causas a amigdalite bacteriana. São elas: Mycoplasma pneumoniae; Staphylococcus aureus; Chlamydia pneumoniae; Fusobacterium sp.; Bordetella pertussis e; Neisseria gonorrhoeae.

Amigdalite aguda

A amigdalite aguda apresenta duas vertentes: a amigdalite aguda viral e a amigdalite aguda bacteriana, sendo que ambas são muito frequentes. No caso das virais, os pacientes apresentam maior presença dor para engolir qualquer coisa, além de coriza, congestão nasal e lacrimejamento.  Os vírus que mais causam esse quadro são: Influenzae A e B , Parainfluenzae 1, 2 e 3, Paramyxovírus, Adenovírus, Echovírus, vírus Epstein-Barr (mononucleose), Coxsakie e Herpes.

Já no caso da amigdalite agudas bacteriana, os sintomas são mais fortes do que no caso da aguda viral. Esse tipo de amigdalite é causado pelas mesmas bactérias que causam a amigdalite bacteriana, só que uma evolução da doença, onde a febre aumenta e há mais dores no corpo. Além disso, pode aparecer abscesso periamigdaliano, febre reumática, abscessos cervicais e septicemia.

Amigdalite viral

A amigdalite viral é mais comum e crianças e adolescentes e seus sintomas são muito parecidos com a bacteriana, só que que na viral há maior inflamação, inchaço e dor e, geralmente, a ausência de placas brancas nas amígdalas (quadro mais comum na bacteriana).

Outra diferença é que a amigdalite viral pode se desenvolver para um quadro crônico, sendo que as vezes pode ser necessária a intervenção cirúrgica. Além disso, a amigdalite viral geralmente afeta, além das amígdalas, a faringe, denominando a orofaringe.

Amigdalite cronica

A amigdalite crônica é um quadro mais comum em pessoas com menos de 15 anos. Isso acontece porque quando uma pessoa atinge a fase adulta, as amígdalas trabalham menos no sistema imunológico. Deste modo, combatendo menos os potenciais vírus e bactérias prejudiciais, diminui a chance delas se infectarem, já que o contato é diminuído.

Ela se caracteriza pela doença ir e vir com frequência, mas sempre por causa de um único agente (bactéria ou vírus). É relativamente normal uma cirurgia de retirada das amígdalas nesses casos.

Amigdalite caseosa

A amigdalite caseosa, também conhecida como amigdalite críptica, acontece por causa do acúmulo de alimentos nas criptas (“cavernas” das amígdalas). Nessa situação, o paciente sente desconforto na região, constante irritação local e sofre com o mau hálito por causa da deterioração do alimento no lugar.

Esse alimento pode ser as vezes expelido naturalmente através da tosse forte, fala ou espirro. Mas em algumas situações se faz necessária a utilização de instrumentos ou espremer as amígdalas para retirar. Qualquer pessoa está sujeita a essa situação. Além disso, outras afecções bucais podem se desenvolver com a amigdalite caseosa.

Amigdalite purulenta

A amigdalite purulenta se caracteriza pela inflamação aguda no parênquima das amígdalas. Quando ocorre, há o surgimento de pus em sua superfície. É uma situação consideravelmente comum e geralmente ocorre com crianças entre 5 e 10 anos e adolescentes entre 15 e 25 anos. Apesar de ser uma condição simples, se não tratada pode ter consequências gravíssimas.

Amigdalite de repetição

Diferentemente da amigdalite crônica, a de repetição é quando as amígdalas são alvo de infecções de diferentes agentes (bactérias e vírus). Ou seja, não é uma única espécie que fica atacando as amígdalas. Quando a amigdalite se repete várias vezes, prejudicando tanto a vida social, pessoal e profissional do indivíduo, muitas vezes é sugerida a retirada das amígdalas.

Amigdalite é contagiosa

Sim, a amigdalite é contagiosa, especialmente quando estamos falando da amigdalite viral, pois um vírus é várias vezes mais transmissível do que uma bactéria. Por isso é importante sempre evitar o contato direto e indireto com a boca de quem está com amigdalite.

É indicado para quem está com amigdalite sempre tapas a boca com o antebraço, parte interna da camisa ou lenço quando for tossir, evitando a disseminação do vírus. Além disso, jamais compartilhe talheres, copos, pratos, toalhas e outras coisas semelhantes se estiver com amigdalite.

Como é transmitida?

A transmissão da amigdalite acontece através do contato direto ou indireto com a boca de quem está contaminado. As gotículas de saliva da pessoa contaminada são bastante contagiosas, pois carrega cargas virais.

Pessoas com a imunidade baixa ou enfraquecida pela idade (crianças e idoso) tendem a pegar amigdalite contagiosa com mais facilidade.

Causas da Amigdalite

Como vimos, a amigdalite é acontece devido a uma infecção viral ou bacteriana nas amígdalas. Se há as espécies causadores dessa doença na região, seu corpo pode contrair e se o organismo não combater e as bactérias ou vírus atacarem as amígdalas, um quadro de amigdalite estará formado.

Apesar disso, há fatores de risco que facilitam o contágio. Qualquer pessoa pode contrair a doença, mas pessoas mais jovens, como crianças e adolescentes contraem com maior facilidade. Além disso, frequentar locais onde há pessoas com essa doença aumentam – e muito – a chance de contrair amigdalite.

Sintomas da Amigdalite

Geralmente não é difícil identificar um quadro de amigdalite, visto que as amígdalas incham e inflamam de modo que o médico consegue identificar isso com bastante facilidade.

Além do inchaço e vermelhidão das amígdalas, outros sintomas são a presença de placas amareladas ou brancas nas amígdalas (geralmente ocorre quando há amigdalite bacteriana), dor de garganta, febre, dificuldade e dor ao engolir, dor de cabeça, mau hálito e, em alguns casos, nódulos linfáticos no pescoço.

Diagnóstico

O ideal é procurar um médico se seus sintomas prevalecerem por mais de 24 horas. O médico responsável irá fazer um exame físico, examinando a boca e a garganta para tentar identificar inchaço, vermelhidão e placas nas amígdalas. Além disso, irá notar o hálito e se há presença de nódulos no pescoço do paciente.

Após isso e se ainda houver dúvidas sobre o que é, o médico poderá solicitar um exame para verificar a contagem de células sanguíneas e cultura da secreção da garganta. Além disso, pode se fazer necessário um teste de mononucleose e um rápido exame para detecção do Estreptococo.

Tratamento para Amigdalite

amigdalite bacteriana

Em geral, o tratamento para amigdalite é realizado através de medicamentos. A identificação sobre ser vírus ou bactéria é essencial para decidir qual medicamento será prescrito. Além disso, alguns medicamentos ou sugestões para aliviar os sintomas poderão ser tomados. O tratamento da amigdalite costume ser fácil e rápido, sem gerar maiores problemas. Geralmente ele leva cerca de 10 dias.

Tratamento caseiro para Amigdalite

Um tratamento caseiro para amigdalite que é aceito por toda comunidade médica, pois não há riscos em dar errado ou potencializar alguma possível situação, é fazer gargarejos com água morna e sal duas vezes por dia. Isso porque o sal funciona como um antibactericida, auxiliando no tratamento da doença e alívio dos sintomas.

Remédio para Amigdalite

Como dito antes, é preciso saber qual é a causa da amigdalite para poder tratá-la. Entretanto há alguns medicamentos que podem ser receitados em diversas ocasiões. São eles: Amoxicilina + Clavulanato de Potássio; Bi Profenid; Benzetacil; Cataflan; Cefaclor; Ceclor; Cefadroxila; Ceftriaxona Dissódica; Cetoprofeno; Clavulin; Ceftriaxona Sódica; Clindamicina; Diclofenaco Resinato; Diclofenaco Colestiramina; Dipirona; Flanax; Eritromicina; Hexomedine; Ibuprofeno; Hincomox; Paracetamol e; Nimesulida.

Quando a causa da amigdalite é por alguma bactéria, alguns antibióticos poderão ser prescritos. Entre eles, estão: Amoxicilina; Benzetacil; Azitromicina; Eritromicina e; Cefalexina. Esses antibióticos poderão ser utilizados via oral ou injeção, de acordo com a necessidade.

Jamais interrompa o tratamento antes do prazo. Mesmo sem sintomas, a infecção ainda pode estar acontecendo.

Cirurgia das amígdalas

A retirada das amígdalas é algo bem comum, visto que elas não são algo tão importante para o corpo humano em nossa fase adulta. Quando a pessoa sofre muito com a reincidência da amigdalite, pode se fazer necessária a remoção delas. Além disso, há pacientes que sentem até dificuldade para retirar, sendo, nesses casos, sempre indicado retirar as amígdalas.

Prevenção

Não há nenhuma medida de prevenção 100% eficiente. Mas há atos que podem diminuir a chance de contrair amigdalite. O primeiro é sempre evitar o compartilhamento de itens pessoais, especialmente os de higiene e bucais.

Além disso, lavar as mãos é uma boa prevenção. Isso irá retirar as possíveis bactérias e vírus que nela estão.